Em resposta à ação, Flu entende que voto online não é urgente e nem está previsto no Estatuto
Futebol

Em resposta à ação, Flu entende que voto online não é urgente e nem está previsto no Estatuto

O Fluminense respondeu a notificação judicial pelo voto online na próxima eleição (no fim deste ano). O clube tinha até o dia 9 de março para fazê-lo e cumpriu o prazo determinado. Dentre outras coisas, os advogados tricolores salientaram que o assunto vem sendo tratado internamente, mas não é de urgência, tampouco uma obrigação prevista em estatuto. O fato do voto online ter sido uma promessa de campanha do presidente Mário Bittencourt, porém, não fora citado.

Confira a manifestação do Fluminense na íntegra, obtida com exclusividade pelo NETFLU:

Com a resposta do Flu, todos agora têm ciência, se o voto online será de fato implementado ou se será necessária uma Ação de Execução da Obrigação. Desta maneira, a diretoria encabeçada pelo presidente Mário Bittencourt fica pressionada a respeito do tema, para os entusiasta da ação, embora esse caminho seja diferente do defendido pelo Fluminense.

Recentemente, o Frente Ampla Tricolor (FAT) protocolou uma notificação judicial dirigida ao presidente do Conselho Deliberativo (CDel), Braz Mazullo, cobrando um posicionamento sobre o voto online.

O presidente Mario Bittencourt e seguidores, que tinham a pauta como promessa de campanha, alegam que o tema compete ao Conselho Deliberativo, não ao mandatário do Fluminense. E que seria casuísmo fazer agora nesta eleição, ou seja, precisa ser aprovada para valer a partir da próxima gestão.