FLuminense escudo 2
Futebol

Fluminense não assina manifesto em apoio a MP 984 e emite nota explicativa

O Fluminense foi um dos times que não assinou o manifesto em apoio a MP 984 de Jair Bolsonaro, que define que somente e exclusivamente o mandante do jogo, teria direito a definir quem seria o responsável por transmitir, em vários meios, a partida.

Juntamente com o Flu, Botafogo, Grêmio  e São Paulo não assinaram o manifesto. Certo, mas qual seria o motivo da não assinatura dessas equipes?

No caso do Grêmio, a justificativa seria uma melhor discussão interna, até que uma posição possa ser tomada.  Confira o manifesto do Grêmio sobre o assunto:

“O Grêmio FBPA está aprofundando internamente o debate sobre o assunto e formará posição estratégica de toda a regulação do futebol. Este é apenas um tema. Vamos nos preparar para o que vem pela frente, sejam as mídias, os produtos em geral, a estratégia de negociação e principalmente a identificação de compradores e valores que esses negócios possam gerar”, diz nota enviada pelo clube à ESPN.

“Neste momento inicial, o que mais temos que ter é cautela, informação e a busca por conceitos de regulação, estruturação do futebol, distribuição mais igualitária do financiamento do futebol, com o objetivo de nivelar a competitividade. Com isso, o Grêmio não assinará o Manifesto, por que entende que seria melhor aprofundar todas essas questões e um apoio ocasional não proporciona um debate completo”.

O que diz a diretoria do Fluminense?

Em relação ao Fluzão, o que a diretoria posicionou é que, a MP 984, deveria ter maior discussão com os clubes e um maior tempo para entendimento das agremiações.

“Acreditamos que o debate é necessário e este ainda não se deu de forma adequada. Portanto, não foi ainda conclusivo para uma tomada de posição. O Fluminense acredita na negociação coletiva de direitos e, indissociavelmente, no debate coletivo, o que ainda não ocorreu de forma estruturada”, emitiu na nota.

A nota ainda fala em ‘precipitação’, já que a MP não foi discutida amplamente e o clube é a favor da negociação de direitos coletivos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *